Uma janela sobre o mundo bíblico

O conhecimento e a visão dos Rabinos nos ajudam a entender as Escrituras Sagradas?



  • Pergunta de Daniel, Passo Fundo
  • 475
  • 01/09/2017
Ivete Holthmam

Leia mais sobre Tradição de Israel |


 No plano concreto da exegese, os cristãos podem aprender muito da exegese judaica praticada por mais de dois mil anos; e, com efeito eles muitos aprenderam no curso da história.

O documento “A interpretação da Bíblia na Igreja” falando desse assunto se expressa da seguinte maneira: Um dos mais antigos testemunhos de interpretação judaica da Bíblia é a tradução grega dos Setenta. Os Targumim aramaicos constituem um outro testemunho do mesmo esforço, que continuou até nossos dias, acumulando uma soma prodigiosa de procedimentos sábios para a conservação do texto do Antigo Testamento e para a explicação do sentido dos textos bíblicos. Em todos os tempos, os melhores exegetas cristãos, desde Orígenes e Jerônimo, procuraram tirar proveito da erudição judaica para uma melhor inteligência da Escritura. Numerosos exegetas modernos seguem esse exemplo.

As tradições judaicas antigas permitem particularmente conhecer melhor a Bíblia judaica dos Setenta, que em seguida tornou-se a primeira parte da Bíblia cristã durante pelo menos os quatro primeiros séculos da Igreja, e no Oriente até nossos dias. A literatura judaica extra canônica, chamada apócrifa ou intertestamentária, abundante e diversificada, é uma fonte importante para a interpretação do Novo Testamento. Os procedimentos variados de exegese praticados pelo judaísmo das diferentes tendências reencontram-se no próprio Antigo Testamento, por exemplo nas Crônicas em relação aos Livros dos Reis, e no Novo Testamento, por exemplo, em certos raciocínios escriturísticos de são Paulo. A diversidade das formas (parábolas, alegorias, antologia e florilégios, releituras, pesher, comparações entre textos distantes, salmos e hinos, visões, revelações e sonhos, composições sapienciais) é comum ao Antigo e ao Novo Testamento assim como à literatura de todos os ambientes judaicos antes e após o tempo de Jesus. Os Targumim e os Midrashim representam a homilética e a interpretação bíblica de grandes setores do judaísmo dos primeiros séculos.

Além disso, numerosos exegetas do Antigo Testamento pedem aos comentadores, gramáticos e lexicógrafos judeus medievais e mais recentes, luzes para a inteligência de passagens obscuras ou de palavras raras e únicas. Mais frequentes que antigamente, aparecem hoje referências a essas obras judaicas na discussão exegética.

A riqueza da erudição judaica colocada a serviço da Bíblia, desde suas origens na antiguidade até nossos dias, é uma ajuda muito valiosa para o exegeta dos dois Testamentos, à condição, no entanto, de empregá-la com conhecimento de causa. O judaísmo antigo era de uma grande diversidade.

Alem disso tudo, muitos métodos de interpretação judaica foram usados na elaboração do Novo Testamento. Especialmente as regras de Hillel, às quais são encontradas nos Evangelhos e também nas cartas de Paulo.

Portanto, vale a pena se aprofundar no tema para poder compreender melhor os textos Bíblicos.

Quase na íntegra tirado do livro: A Interpretação da Bíblia na Igreja da Pontifícia comissão Bíblica.

http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/pcb_documents/rc_con_cfaith_doc_19930415_interpretazione_po.html

475 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook