Uma janela sobre o mundo bíblico

Paulo orou três vezes pelo espinho na carne e Jesus três vezes no Getsêmani. Há algum segredo em orar três vezes?



  • Pergunta de Iara, Jundiaí
  • 1252
  • 15/11/2017
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Oração | Cálice |


A tríplice oração de Jesus no Getsêmani é contada por Mateus 26,36-46: “Meu Pai, se é possível, que se afaste de mim este cálice”. Paulo fala do “espinho na carne” na sua segunda carta aos Coríntios, em 12,7-10. E ele diz: “A esse respeito três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim”.

Não há nada de misterioso e nem uma força mágica na tríplice oração em si. Mas os dois textos colocados juntos podem nos ensinar muito sobre a oração.

Primeiro de tudo é importante perceber que em ambos os casos, Jesus e Paulo não pedem “uma coisa material”. Eles não estão fazendo um comércio com Deus: eu oro, passo o tempo contigo, e em troca o meu pedido é realizado. Ambas as orações têm como objetivo resolver uma angústia da alma. De fato, Jesus diz: “minha alma está triste até a morte”. E Paulo: “para eu não me encher de soberba, foi-me dado um aguilhão na carne”. Ambas as orações procuram clarear uma situação opressora, procuram entender qual é a vontade de Deus. Isso é feito com a “conversa”, com a oração. O íntimo contato com Deus, repetido três vezes, isto é, de maneira perfeita, nos aproxima de Deus, nos faz ter fé e nos ajuda a entender as situações de nossas vidas. A oração faz com que uma luz brilhe sobre os problemas que temos, às vezes sem resolvê-los. De fato, quem de verdade ora não fica imune às desgraças, mas consegue superá-las, pois as enfrenta com fé.

No final das duas narrações, os diretos interessados “resolvem” a questão. Jesus, por sua parte, entende qual é a vontade de Deus: “Eis que a hora está chegando... Levantai-vos! Vamos!”. Paulo entende a resposta do Senhor: “Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a força manifesta todo o seu poder”.

Sendo a conversa um diálogo, é muito importante entender a resposta, escutar o que Deus responde à minha súplica.

A menção ao número três poderia ter como significado a ênfase: trata-se de uma oração sincera, que sai do coração, repetida com carinho e intensidade.

 

O que significa o “espinho na carne” de Paulo?

Paulo, como recordamos acima, diz que lhe foi dado um espinho na carne, para que ele não se enchesse de soberba, por causa das revelações extraordinárias que recebia. Esse espinho, como um anjo de Satanás, o perseguia recordando-lhe das suas fraquezas.

Além de Paulo, pode ser que também os habitantes de Corinto sabiam qual era esse “espinho”. Além deles, ninguém mais sabe o que era. Sabemos apenas que era um mal permitido por Deus, razão de algum tipo de fraqueza.

Mesmo não sendo possível descobrir o que era, os exegetas tentam fazer algumas hipóteses. Alguns pensam que poderia ser uma doença ou um problema físico (veja Gálatas 4,13-15, onde se pode ver um provável problemas nos olhos). Outros, ligando à menção a Satanás, pensam que se trate de algum adversário. Há também quem pense que poderia ser uma dor espiritual causada sobretudo pelo fato dos judeus não aceitarem o Evangelho (veja Romanos 9,1-3). Há quem imagina uma tentação espiritual ou sexual. Outros, por fim, pensam até mesmo em um defeito na sua pronúncia, interpretando nesse sentido 1Coríntios 2,2.

1252 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook