Você faz referência a uma passagem da Segunda Carta a Timóteo, concretamente a 2Tm 3,16, onde, conforme a Bíblia de Jerusalém (2002), se lê:

Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para instruir, para refutar, para corrigir, para educar na justiça, 17a fim de que o homem de Deus seja perfeito, qualificado para toda boa obra.

Acrescentei também o versículo 17...

Coloco aqui abaixo outras versões, para facilitar a conclusão. Elas trazem o seguinte texto:

  • Bíblia de Promessas (2006): Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa par ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.
  • TEB (2015): Toda escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, refutar, corrigir, educar na justiça
  • NTLH (2000): Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver.
  • Almeida Revista e Corrigida (1969): Toda a Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.

Nas traduções acima, nota-se uma pequena diferença, como você menciona na pergunta: algumas dizem literalmente que “é” divina inspirada e outras omitem o “é”, embora o suponham. Você tem razão, pois sobretudo as versões mais recentes destacam o “é”, enquanto as mais antigas o deixam subentendido.

Na versão original, em grego encontramos o seguinte texto:

Pasa graphe heopneustos kai ōphelimos

Tradução literal: Toda escritura respirada por Deus e útil

A partir do texto original vemos a falta do verbo “ser”, coisa muito comum no texto grego. Esse verbo é subentendido e nas versões em português podem ser colocados. O que se nota é que entre a palavra heopneustos (literalmente: “respirada por Deus”) e ophelimos existe um “kai”, uma conjunção que liga essa palavra com a seguinte. Portanto, se o tradutor escolhe colocar o verbo "ser", em português, é preciso ficar claro que ele se aplica aos dois termos: “é inspirada e é útil”.