Uma janela sobre o mundo bíblico

A Semana Santa em Jerusalém



  • Estudo
  • 4386
  • 21/03/2011
Odalberto Domingos Casonatto

Leia mais sobre Jerusalém | Jesus |


Minha experiência vivida na cidade de Jerusalém durante o período que permaneci na Terra Santa por motivo de estudos bíblicos gostaria de compartilhar com todos que tem interesse em um dia fazer a peregrinação a terra de Jesus ou mesmo já estiveram em alguma oportunidade e gostariam de relembrar.

Residi por cinco anos no Convento Franciscano da Flagelação, situado na Via Dolorosa, cidade velha de Jerusalém. Foi uma oportunidade única de viver no local onde todos os acontecimentos da Semana Santa aconteceram. Neste relato colocarei minha inusitada experiência para que outros também possam desfrutar desta vivência inigualável.

 

Como se celebra o dia de Ramos em Jerusalém?

A procissão de Ramos em Jerusalém tem seu início em Betfagé nos altos do Monte das Oliveiras e vai até a chamada Piscina Probática ou a Igreja de Santa Ana, dentro dos muros de Jerusalém a poucos metros do antigo recinto do Templo de Salomão.

O fato bíblico assim se apresenta em Lucas 19,29 “ao aproximar-se de Betfagé e de Betânia, junto ao Monte das Oliveiras, Jesus enviou dois dos seus discípulos, dizendo: Ide à aldeia em frente e ao entrardes nela, encontrareis um jumento preso que ainda ninguém montou; soltai-o e trazei-o. Os discípulos assim fizeram e deitando as suas capas sobre o jumento, fizeram montar Jesus que nele entrou em Jerusalém”.

A procissão de Ramos em Jerusalém é um cortejo que marca a universalidade da Igreja. Nela se integram Peregrinos de quase todas as nações e raças: árabes nativos da Palestina, Italianos, Espanhóis, Portugueses, Alemães, Franceses, grupos de peregrinos vindo da África, Ásia, Europa ou Américas. Todos se agrupam nas suas respectivas línguas cantando e rezando e não faltam os africanos que vão cantando e dançando. Todos que participam da procissão se unem por um motivo, lembrar a entrada de Jesus em Jerusalém, a fé neste Cristo é o elo de união de todos. Também se unem a procissão os alunos das escolas católicas para os palestinos, situadas em Jerusalém, Belém, Nazaré e outras vilas. Todas as ordens religiosas, sacerdotes diocesanos se faziam presente com suas próprias comunidades. A vila de Betfagé está em um dos lugares mais altos de Jerusalém, o Monte das Oliveiras, a procissão segue seu caminho sempre em descida, passando pela Igreja do Pai Nosso, a Igreja da Ascensão, a Igreja do Dominus Flevit, o Cemitério Judaico, Muçulmano e Cristão, o Gethsêmani, o Jardim das Oliveiras, o túmulo de Maria, a Igreja de Santo Estevão, em fim a porta de Santo Estevão que dá entrada ao bairro árabe de Jerusalém, seguindo-se por mais cem metros até a Piscina Probática.

No final da procissão o patriarca de Jerusalém dirige sua homilia exaltando a importância do dia de Ramos, mas sem esquecer o sofrimento da pequena porção de católicos que vivem na Terra Santa. Estão sofrendo discriminação dos Judeus, pois são palestinos e perseguidos pelos muçulmanos fanáticos (os chama dos irmãos muçulmanos) por serem árabes católicos.

 

Como se apresenta a Sala da última ceia no monte Sião?

Para servir de sinal aos construtores da história o lugar onde foi Instituída a Eucaristia, o sacerdócio, o lava pés e Pentecostes hoje pertence ao Estado de Israel, como conquista da guerra de 1967, a guerra dos seis dias. Nos prédios anexos foram instalados pelo estado de Israel, sinagogas, Jardim de Infância, Ieshiva para o estudo da Torá etc. Neste lugar santo para nós cristãos onde foi celebrada a primeira missa por Jesus e os apóstolos, não se pode celebrar missas. Da conquista árabe até 1967 ali existiu uma Mesquita árabe e do ano de 1967 em diante passou a ser uma simples sala para visitação pública havendo proibição para qualquer cerimônia de caráter religioso. Os grupos que visitam o lugar da última ceia se contentam em ler a passagem bíblica da última ceia de Jesus com os apóstolos e cantar cantos eucarísticos.

Os fatos bíblicos ligados a este lugar são vários vejam alguns:

Lc 22,7-13 (Preparativos para a ceia Pascal)

7 Chegou o dia dos Ázimos, em que se matavam os cordeiros para a Páscoa. 8 Jesus mandou Pedro e João, dizendo: “Vão, e preparem tudo para comermos a Páscoa.” 9 Eles perguntaram: «Onde queres que a preparemos?” 10 Jesus respondeu: “Quando vocês entrarem na cidade, um homem carregando um jarro de água virá ao encontro de vocês. Sigam a ele até a casa onde ele entrar, 11 e digam ao dono da casa: “O Mestre manda dizer: “Onde é a sala em que eu e os meus discípulos vamos comer a Páscoa?” 12 Então ele mostrará para vocês, no andar de cima, uma sala grande, arrumada com almofadas. Preparem tudo aí.” 13 Os discípulos foram, e encontraram tudo como Jesus havia dito. E prepararam a Páscoa.

Jo 13,1-15 (O lava pés)

1 Antes da festa da Páscoa, Jesus sabia que tinha chegado a sua hora. A hora de passar deste mundo para o Pai. Ele, que tinha amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2 Durante a ceia, o diabo já tinha posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão,  projeto de trair Jesus. 3 Jesus sabia que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos. Sabia também que tinha saído de junto de Deus e que estava voltando para Deus. 4 Então Jesus se levantou da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5 Colocou água na bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando com a toalha que tinha na cintura.

Neste mesmo lugar o cenáculo como é chamado à sala da Instituição da Eucaristia foi o lugar onde os apóstolos receberam o Espírito Santo no dia de Pentecostes como nos narra os Atos dos Apóstolos 2,1-41:

1 Quando chegou o dia de Pentecostes, todos eles estavam reunidos no mesmo lugar. 2 De repente, veio do céu um barulho como o sopro de um forte vendaval, e encheu a casa onde eles se encontravam. 3 Apareceram então umas como línguas de fogo, que se espalharam e foram pousar sobre cada um deles. 4 Todos ficaram repletos do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. ....17 ‘Nos últimos dias, diz o Senhor, eu derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os filhos e filhas de vocês vão profetizar, os jovens terão visões e os anciãos terão sonhos. 18 E, naqueles dias, derramarei o meu Espírito também sobre meus servos e servas, e eles profetizarão. 19 Farei prodígios no alto do céu, e sinais embaixo na terra: sangue, fogo e nuvens de fumaça. 20 O sol se transformará em trevas, e a lua em sangue, antes que chegue o dia do Senhor, dia grande e glorioso. 21 E todo aquele que invocar o nome do Senhor, será salvo.’........

Desde a origem da Igreja o lugar da última ceia de Jesus foi considerado lugar sagrado, ai foram construídas Igrejas para lembrar a santidade do lugar e recordar o lugar onde Maria morreu ou adormeceu como dizem os gregos, sendo posteriormente Levada até uma sepultura no vale do Cedro e aí foi assunta ao céu.

No Lugar da morte ou dormição de Maria existe hoje uma grande Igreja, construída em um terreno doado pelos turcos ao imperador da Prússia Guilherme II e este doou aos Padres beneditinos.

 

Que mistério envolve o Monte das Oliveiras o Jardim das Oliveiras e o Gethsêmani?

O Monte das Oliveiras serviu de lugar onde transcorreram fatos marcantes para a história da nossa salvação. Na vila de Betfagé Jesus encontrou amigos para se hospedar quando vinha a Jerusalém para as festividades Judaicas. Fez amigos, chorou quando da morte de Lázaro e o ressuscitou. Partiu de Betfagé, no dia de Ramos para entrar triunfalmente em Jerusalém e do alto o Monte das Oliveiras subiu aos céus no dia da ascensão. No lugar chamado “dominus flevit”, Jesus disse as palavras proféticas. “Aí de ti Jerusalém quis reunir os teus filhos ao meu redor como uma galinha reúne seus pintainhos sob suas asas, mas vocês não quiseram. Virão tempos em que povos estrangeiros, te cercarão derrubarão teus muros, destruirão o templo, incendiarão as casas e não sobrará pedra sobre pedra”. Esta profecia de Jesus se realizou no ano de 70 D. C. quando o general Romano Tito com a Xª Legião Romana sitiou Jerusalém derrubou seus muros e destruiu-a completamente.

Aos pés do Monte das Oliveiras, mais precisamente no Jardim das Oliveiras Jesus se recolhia para rezar ao pai. Foi ai que suou sangue, foi traído pelo beijo de Judas e preso pelos soldados romanos. Segundo a tradição Judaica é no Vale do Josefa aos pés do Monte das Oliveiras que acontecerá o Juízo Universal no final dos tempos.

Gostaríamos falar no Jardim das Oliveiras como o lugar preferido de Jesus para se encontrar com seu Pai através da oração. Este Jardim das Oliveiras depois daquela quinta feira Santa em que Jesus suou sangue quando seu Pai mostrou o que deveria passar em lugar da humanidade, passou a ser lugar de veneração e de oração para a comunidade das origens. Passou a chamar-se o Jardim da Agonia.

Segundo os quatro evangelhos, o caminho da Paixão começava num lugar situado fora da cidade Santa a que Marcos e Mateus chamam de Gethsêmani. “Gate” que significa prensa, e “shemânin” que significa azeite. Este lugar que servia para fabricação de azeite de Oliveira estava situado para lá da torrente do Cedron, na direção do Monte das Oliveiras em frente à Porta Dourada.

Na noite em que foi preso, Jesus acompanhado dos seus discípulos, saiu do Cenáculo (no Monte Sião) e, descendo até perto da piscina de Siloé, subiu o vale de Josafá para o norte e chegou ao Jardim das Oliveiras.

Chegando ao Gethsêmani Jesus deixou oito discípulos na gruta que se abria na vertente da colina (hoje convertida em uma capela). Depois tomou três discípulos, Pedro Tiago e João, e afastou-se dos outros a uma distância de “um tiro de pedra”. Jesus foi um pouco mais longe e orou “Pai, se quiseres, afasta de mim este cálice. Não se faça, contudo, a minha vontade, mas a Tua” e depois de lhe aparecer o Anjo consolador, “pos-se a orar mais fervorosamente e o seu suor caiu como grosas gotas de sangue sobre a terra”. O local exato da agonia, não pode historicamente ser longe do que este assinalado como tal pelas tradições cristãs mantidas desde o primeiro século e pelos relatos de São Jerônimo (390), do Peregrino anônimo de Bordeaux (330), de Origines (253). O Jardim tem uma área de cerca de 1200 m² e está situado a direita do caminho que sobe o Monte das Oliveiras, sendo limitada ao sul pela Basílica da Agonia e a oeste pela estrada que vai Jericó. Rodeadas por uma grade de ornamentação bizantina, existem oito velhas oliveiras. Alguns estudiosos não hesitam em atribuir-lhes mais de 2000 anos. As grades protegem as oliveiras da voracidade devota dos peregrinos.

O Monte das Oliveiras é também local de veneração para os judeus, pois ali foram sepultados os profetas: Ageu, Zacarias e Malaquias. Jesus amava este lugar. “E saindo como de costume para o Monte das Oliveiras”, escreve São Lucas (22,39).

A primeira Igreja construída no local da Agonia é da segunda metade do século IV (entre 330-390). Esta Igreja foi destruída provavelmente em 614 pelos Persas, mas sempre foram novas Igrejas construídas apesar de outras destruições que houve nas guerras.

Na parte central da Igreja se encontra a rocha da Agonia, onde Jesus se reclinou. Está envolta numa cercadura metálica em forma de coroa de espinhos com aves defrontadas com um cálice (representando as almas que querem participar do cálice de Cristo).

Atraídos pela Sagrada Rocha quase não reparamos o resto do templo. Um a um, os peregrinos aproximam-se, com passos involuntariamente solenes, do local da Agonia. Instintivamente ajoelham-se e se curvam para beijar a pedra que sustentou a fronte do Senhor.

Na quinta feira Santa nesta Igreja realiza-se a cada ano a partir das 20,00 hs uma hora Santa com a participação de todas as comunidades católicas da cidade de Jerusalém, sempre é marcante a presença dos grupos de peregrinos de várias nacionalidade que vem a Terra Santa na Semana Santa e participam dessas adoração. Esta cerimônia é simplesmente singular e comovente. Sempre nesta celebração encontramos grupo de peregrinos brasileiros que entoam cantos e orações em brasileiro após a adoração na Basílica da agonia.

 

Como se celebra a Via Sacra nas ruas de Jerusalém cidade velha

De manhã cedo, na sexta-feira Santa Jesus foi conduzido ao Pretório onde foi julgado e, a contra gosto condenado por Pilatos a ser entregue, para, morrer, aos Judeus. Pilatos sentou-se, segundo João (19,13) num local do Pretório chamado em hebraico “Gabbathá” e, em grego “Litóstrotos”, que quer dizer pátio pavimentado ou lajeado. O local situava-se na torre Antonia, ou fortaleza Antônia, que foi construída por Herodes o Grande no ano 35 a. C. (no lugar da torre Baris) em honra do seu protetor Marco Antonio.

O local assim se apresenta além da rua “Via dolorosa”, existe o Convento dos Padres Franciscanos, com os dois Santuários “da Condenação de Jesus” e o “Santuário da Flagelação”. Junto a estes santuários existe hoje um Instituto de Estudos Bíblicos, O Instituto Bíblico dos Franciscanos. Este Instituto recebe sacerdotes do mundo inteiro e prepara esses sacerdotes para ensinarem Bíblia, nos Institutos de Teologia, onde se formam os novos sacerdotes para a Igreja. Ali se pode obter o grau de mestrado em Bíblia Sagrada e o grau de doutorado em Bíblia Sagrada.

Deste local toda a sexta-feira no horário da 15,00 hs parte a caminhada da Via Sacra, que percorre os mesmos passos de Jesus até o lugar da ressurreição no Santo Sepulcro.

Narro em seguida o caminho da Via Sacra percorrido com um dos tantos grupos de brasileiros que acompanhei como guia e sacerdote.

O grupo de brasileiros era formado de 30 pessoas de diferentes estados, havia no grupo: gaúchos na maioria, mas também catarinenses, paulistas, paranaenses. Começamos nossa caminhada na Capela da Flagelação no interior do Convento dos Franciscanos, numa manhã de abril sob uma temperatura suave e o inverno já estava se despedindo e estava por iniciar o período do tempo seco e verão. As duas primeiras estações da Via Sacra se situam no interior da Fortaleza Antonia as outras seguem pela rua “a via dolorosa” como é conhecida pelos cristãos, e as últimas cinco estações no interior da Basílica do Santo Sepulcro. Percorremos a via Dolorosa, rezando e cantando, estação após estação até chegarmos ao Santo Sepulcro. Passamos por zonas essencialmente comerciais, àquela hora, muitas pessoas se movimentavam por elas. Às portas dos estabelecimentos, achavam-se expostos diversos artigos de consumo; as ruas tem o colorido variado e forte dos mercados árabes. Transeuntes e comerciantes olham-nos distraidamente; passam constantemente carros de mão, carregados dos mais variados produtos. Junto das diversas estações as nossas vozes em oração mal se ouvem.

Prosseguimos a Via Sacra por entre a indiferença dos transeuntes. Tal como Jesus fez a sua Via Crucis. Também nesse tempo, a vida não parou para ver passar o Senhor da Vida; também os comerciantes e os indiferentes não se deixaram perturbar pela passagem de um Homem que levava uma cruz; muitos não sabiam ainda que essa Cruz era feita dos pecados deles e que representava a remissão do mundo. Tal como hoje muitos não querem saber.

As estações sucedem-se e aproximamo-nos do Santo Sepulcro do Senhor. Para a maior parte dos peregrinos é a primeira via sacra vivida no lugar onde a verdadeira ocorreu.

Entramos no átrio exterior da Basílica do Santo Sepulcro. Ao Sul, Sul, a fachada romântica, construída pelos cruzados no século XII. Em baixo, duas, portas monumentais geminadas e por cima, duas janelas igualmente geminadas, arcadas ligeiramente partidas, pequenas colunas em forma de ramos de palmeira imitam o estilo Coríntio.

No interior da Basílica percorremos as estações: Jesus pregado na Cruz, a estação da morte de Jesus. Ainda lembro o fato inusitado em que um Judeu fanático profanou este lugar tão sagrado, subindo no altar derrubando os castiçais, as lamparinas com óleo e tentou tirar a grande cruz que lembra a morte de Jesus. Até que a polícia interveio. O motivo sempre é o mesmo fraqueza mental ou problemas psicológicos, é uma saída muito honrosa de encobrirmos tudo de mal que o homem possa fazer. Desta forma tudo pode ter uma explicação e uma maneira de inocentar-se. Nossa via sacra continuou com mais duas estações que se localizam no centro da grande Basílica do Santo Sepulcro, uma no local do túmulo vazio de Jesus e a última a da ressurreição. Em seguida celebramos a missa na capela dos católicos situada a poucos metros do lugar da ressurreição.

 

O que encontramos no local que foi sepultado Cristo e Ressuscitou. O Monte Calvário é muito alto ainda existe?

A Basílica do Santo Sepulcro esta construído no local do monte Calvário, onde aconteceu a morte de Jesus, e o fato da Ressurreição.

Entrando na Basílica do Santo Sepulcro, aparece uma lápide de pedra no chão, rodeada de lamparinas é a Pedra da Unção que é venerada como evocativa da que serviu a unção do Corpo do Senhor.

A direita de quem entra na Basílica, fica o lugar do Calvário para o qual se pode subir por uma escada.

O pavimento é de mármore bem como as paredes são revestidas de mármore. No teto aparecem medalhões com personagens bíblicas que profetizam o sofrimento do Messias: Isaías, Daniel, etc. O altar é em bronze prateado. Sob o altar, o lugar da implantação da Santa Cruz. Ali, nem a costumeira exibição dos prateados ortodoxos, traduzida na profusão de lampadários e de molduras de ícones, impede que nos sintamos sucumbidos ante a visão do local onde a Salvação do mundo pendeu de uma Cruz. Todos que ali chegam instintivamente se ajoelham rezando e, aproximado-se de joelhos do altar, para beijar o lugar onde a cruz da Redenção esteve cravada. Neste preciso lugar é onde a Cruz de Cristo esteve erguida e se realizou o ato principal da redenção, aqui estão as 10ª, 11ª e 12ª estações da Via Sacra.

Descendo do Calvário, no interior da Basílica, a poucos passo estamos no Centro do Santo Sepulcro: grandioso Mausoléu construído por Constantino, imperador Romano, a pedido de sua mãe Santa Helena, que queria no lugar da Ressurreição de Jesus a Igreja mais bela de todo o Império Romano, e assim aconteceu. A este local os gregos e os cristãos antigos o chamam de Anástasis (Ressurreição em grego). No centro da Anástasis, o lugar da ressurreição ergue-se hoje uma edícula do Santo Sepulcro (pequena capela) em estilo russo tardio. Reconstruída depois de um grande incêndio ocorrido na Basílica. A porta da entrada é muita baixa e da entrada a uma ante sala chamada a Capela do Anjo e em seguida a entrada para o sepulcro. A câmera sepulcral mede 2,30 m por 1,90 m dando uma idéia dos túmulos da época, uma porta de entrada fechada por uma pedra redonda, uma ante sala, onde os familiares iam para rezar ou levar ofertas aos mortos e a câmara sepulcral. Neste local nos horários das 5,00 hs até às 7,00 hs os sacerdotes católicos podem celebrar missas. Este local da ressurreição é de propriedade dos gregos ordotoxos.

Para os que visitam o Santo Sepulcro, as impressões e sentimentos são enormes e difíceis de descrever. Cada um tem sua própria experiência. As vidas se configuram num compromisso novo, pois é dada a oportunidade de todos tocar com as próprias mãos o lugar onde Cristo triunfou da morte.

As centenas de pessoas que saem do Santo Sepulcro mantêm no rosto a expressão de alegria e contentamento de terem experimentado algo impressionante e grandioso que marcará indelevelmente suas vidas. Que o Deus que ressuscitou Jesus Cristo dos mortos, toque com sua mão nosso coração e faça renovar nossa vida conforme sua vontade.

4386 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook