Uma janela sobre o mundo bíblico

Segundo alguns intérpretes da Bíblia, o episódio da Torre de Babel simboliza uma punição divina contra a ousadia do ser humano...



  • Pergunta de Rosilene Sant'Ana, Rio de Janeiro
  • 48901
  • 10/04/2012
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Babel | Gênesis


A Torre de Babel é a legendária construção mencionada pela Bíblia em Gênesis 11,1-9. A Bíblia conta que até então os homens usavam a mesma língua, formavam um único povo. Mas decidiram constuir uma cidade e uma torre cujo ápice penetrava os céus. Diziam: "Façamo-nos um nome e não sejamos dispersos sobre toda a terra!". Deus, conta a Bíblia, viu nisso o começo das iniciativas humanas, sendo que a partir de então nenhum desígno seria irrealizável para os seres humanos. Por isso Deus decidiu descer e confundir a linguagem dos homens para que não pudessem se entender. E assim aconteceu e pararam de construir a cidade. Deu-se a ela o nome de Babel, pois lá YAHWEH, diz o texto, "confundiu a linguagem de todos os habitantes da terra e os dispersou sotre toda a face da terra".

 

A expressão "Torre de Babel" entrou na nossa linguagem, mas na verdade, literalmente como é, não existe na história contada no livro do Gênesis. Isso mostra como é importante entender bem a mensagem por trás do texto. A própria frase "Torre de Babel" é já uma interpretação do texto. Mas antes de chegar à interpretação, vejamos o contexto histórico que dá origem a essa narração.

 

Contexto histórico

Babel é uma cidade que existiu no antigo Império da Babilônia. Etimologicamente o nome significa "Porta de Deus". Ela, segundo a tradição, teria sido fundada pelo deus Marduk. Foi destruída mais tarde por Sargon, mais de 2 mil anos antes de Cristo. 

As cidades daquela região, onde se adoravam diversos deuses, eram caracterizadas pela presença de uma torre que, na verdade, havia a função de altar, um local de culto. Poderíamos considerar como uma forma de templo, com vários andares. Esse tipo de torre, cuja existência é confirmada por descobertas arqueológicas, é normalmente chamada "Ziqqurat".

Existe uma menção escrita, que é de cerca de 600 anos antes de Cristo, de uma particular Ziqqurat de Babilônia, que naquele período foi restruturada. Nessa inscrição, essa torre é definida como "edifício da plataforma-fundamento do Céu e da Terra", "cujo topo chega até o Céu". Na concepção religiosa da Babilônia, essa construção era uma ponte entre o céu e a terra. Por ela os homens subiam até Deus e Deus descia até eles. A visão de Jacó, descrita em Gênesis 28, quando vê uma escada e uma 'porta do céu', pode ter sido influenciada por esse contexto.

Há vários restos de torres com essas características na região do atual Iraque e o local da Torre da cidade de Babel não é univocamente reconhecido.

 

Interpretação

Babel, como Babilônia, por causa daquilo que fez ao povo hebreu, torna-se o símbolo do orgulho do ser humano e da sua inevitável queda. Com certeza esse contexto ajudou na criação da passagem bíblica que lemos em Gênesis 11. O objetivo dessa passagem é provavelmente explicar como surgiram as línguas, como surgiram os povos. Tal realidade é fruto de um pecado comunitário que, como o pecado de Adão e Eva, pode ser visto como uma tentativa de se tornar símile a Deus, de sair dos próprios limites. Isso provoca, no coração humano, confusão. De fato é essa a etimologia que "babel" tem em hebraico (bll = confundi), embora na língua original a palavra significasse "porta de deus".

Outra mensagem que se encontra, um pouco escondida, é a condenação da civilização urbana. De fato a história não fala só da torre, mas também da cidade: os homens estavam, na verdade, contruindo uma cidade com uma torre. A mesma visão negativa em relação à vida urbana podemos notar na história de Caim, pecador, que se torna construtor de cidades (veja Gênesis 4,17).

 

Na visão cristã, a divisão causada durante a construção dessa torre é restaurada durante a vinda do Espírito Santo, no dia de Pentecostes. Diz Atos dos Apóstolos que, naquele dia, os apóstolos falavam e eram entendidos em todas as línguas (Atos 2,1-12). E também no triunfo dos eleeitos no céu, como conta Apocalipse 7,9: uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas estavam diante do Cordeiro.

48901 visitas


A resposta dos autores do site se encontra aqui acima.
Eventuais comentérios postados abaixo, via FaceBook, não representam o nosso parecer,
mas são de exclusiva responsabilidade dos seus autores.


Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook