Uma janela sobre o mundo bíblico

Identificado um grande cemitério na cidade bíblica de Zoar junto a Sodoma e Gomorra



Luiz da Rosa

Leia mais sobre Arqueologia |


Milhares de sepultamentos antigos foram descobertos no sudeste do Mar Morto. Em meio ao deserto árido da Zoar bíblica (Zoora antigo) a sudeste do Mar Morto, milhares de sepulturas antigas, algumas com mais de 4.500 anos, foram descobertos, tornando-se talvez o maior cemitério do mundo antigo. Os enterros da antiga Zoora lançam luz sobre a panóplia de culturas e religiões que viveram aqui desde o início da Idade do Bronze até o fim do período bizantino.
 
No extremo sudeste do Mar Morto, situado entre as praias de sal incrustados sobre o mar e os caminho dos planaltos transjordaniano, encontra-se a Zoar bíblica (Zoora antiga ou Zoara). Segundo a Bíblia e a tradição cristã primitiva Ló e suas filhas fugiram para Zoar (Zoora) após a destruição de Sodoma e Gomorra.
 
Mas, como autor Konstantinos Politis explica em "Morte no Mar Morto," as duras, colinas desoladas de Zoar (Zoora), localizadas no ponto mais baixo na terra, é possivelmente o maior cemitério do mundo antigo, que serviu durante milhares de anos como o cemitério privilegiado para inúmeros povos e credos. Os enterros antigos que Politis descobriu ao longo de três décadas de trabalho em Zoar (Zoora) lançaram luz sobre as culturas e religiões que haviam aqui desde o início da Idade do Bronze e, posteriormente, incluiu os nabateus, judeus e cristãos.
 
Além de Israel, nenhum país tem tantos lugares bíblicos e associações como a Jordânia ao lado: O Monte Nebo, de onde Moisés contemplou a Terra Prometida; Betânia além do Jordão, onde João Batista batizou Jesus; a Caverna de Ló, onde Ló e suas filhas se refugiaram após a destruição de Sodoma e Gomorra, e muitos mais.
 
Os primeiros sepultamentos antigos descobertos nesta região entre Israel e a Jordânia datam do início da Idade do Bronze I-II (c. 3100-2600 AC). Estes túmulos foram construídos durante o auge da região nas duas maiores cidades, Bab edh-Dhra e Numeira, considerados por alguns como as ruínas das cidades de Sodoma e Gomorra.
 
Cerca de 2.500 anos mais tarde, o sítio de Khirbet Qazone, cerca de 15 quilômetros ao norte de Zoar, foi usado como um cemitério vasto durante o período do reino dos Nabateus. Aqui foram realizados mais de 5.000 sepultamentos antigos, desde o século I AC ao século IV DC. Ao mesmo tempo, as famílias judaicas também foram se mudando na região de Zoar (Zoora) e comprando pomares e fazendas na região. Dezenas de lápides judaicas posteriores foram encontrados em Zoar (Zoora) atestando a presença continua da comunidade judaica na região durante a antiguidade.
 
Durante o período bizantino (do IV até VI DC), Zoar (Zoora) se tornou um centro de uma próspera comunidade cristã. Os cristãos locais construiram um impressionante mosteiro para comemorar a caverna onde eles acreditavam que Lo e suas filhas tinham encontrado refúgio durante a destruição de Sodoma e Gomorra. A cidade era a mesma de um bispado grande cristão. Como tal, não é nenhuma surpresa haver ali centenas de túmulos antigos e lápides com inscrições em grego nos túmulos de cristãos que foram encontrados na Zoora Bizantina.
 
Embora alguns desses enterros antigos de Zoar (Zoora) podem ter sobrevivido em grande parte intactos, a maioria foram roubados e destruídos por saqueadores. Felizmente, Politis conseguiu documentar muitos dos sepulcros que não foram violados desde a antiguidade e salvar mais de 400 lápides escritas em grego e aramaico que foram roubadas de Zoar (Zoora), o maior cemitério do mundo antigo. Alguns destes túmulos estão agora em exposição em um novo museu dedicado a antiguidades Zoar (ver "Museu da Caverna de Ló que deve ser inaugurado em na Antiga Zoar".)

2930 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook