Uma janela sobre o mundo bíblico

Como o apóstolo Paulo morreu tem alguma referência bíblica?



  • Pergunta de Davi Barbosa de Sousa, Carapicuiba / SP
  • 172624
  • 17/12/2012
Odalberto Domingos Casonatto

Leia mais sobre Paulo de Tarso |


Olá Davi Barbosa de Sousa de Carapicuíba SP!

 Nos escritos do Novo Testamente encontramos muita literatura paulina, 14 Cartas Paulinas e nos Atos dos Apóstolos boa parte da narrativa descreve a obra evangelizadora de Paulo. Por este motivo chegam até o site muitas perguntas sobre Paulo. Nos últimos tempos com respeito da morte e a figura de Paulo respondi duas perguntas, que podem ajudar a compreensão desta. Uma delas foi:

“Como apóstolo Paulo foi morto?” pergunta de Wellington de Mogi das Cruzes / SP e resposta de Odalberto em 18/11/2012 e uma outra foi “Quero saber sobre o apóstolo Paulo?” pergunta de Hermes Freitas, Harrison / nj e foi respondida por Odalberto em 25/09/2012. Vale a pena conferir.

 Embora não tenhamos uma referência bíblica especifica sobre a decapitação de Paulo pelo Imperador Romano, as Cartas Pastorais em seus textos nos ajudam a compreender as circunstâncias de sua morte.

 

Primeiras condenações de Paulo.

 

O livro dos Atos dos Apóstolos narram os momentos difíceis que Paulo passou em Jerusalém, no anuncio do Cristo ressuscitado. Apenas recordamos esta passagem dos Atos 25,19-21, que apresentam como Pórcio, Festo, o rei Agripa e Berenice que pressionados pelos judeus tentam condená-lo a morte. Como sabemos Paulo se defende com o título de cidadão Romano, escapando da morte. Enviado para ser julgado a Roma no outono do ano 60 d.C, sob o governo de Festo. Nesta viagem por motivo de tempestade, permanece 90 dias na ilha de Malta. Até que é conduzido a Roma. Depois de um processo de 2 anos recebe a liberdade. Surge neste momento a figura de Nero que acusa os cristão de incendiarem Roma.

 

Prisão, condenação e morte

 

Em 67 d.C. retorna a Roma acompanhado por Lucas e reconstitui a Comunidade, dizimada pelas perseguições de Nero. Paulo passa a viver na margem esquerda do Rio Tibre, perto da ilha Tiberina. Neste local ergueu-se uma Capela dedicada a sua memória “San Paolo alla Regola”. Foi preso e acusado de chefiar a seita cristã. Neste segundo cativeiro, sua situação ficou complicada pelo fato de pesar sobre os cristãos a acusação de terem incendiado Roma e era tratado “como malfeitor”. (2 Tim 2,9).

 

Circunstâncias da morte de Paulo:

 

Alguns biógrafos de Paulo mencionam que Paulo foi decapitado fora da cidade de Roma, “ad Aquas Salvias”, e os seus discípulos o enterraram numa propriedade particular as margens da via que leva para Óstia.

A Igreja Católica venera o lugar e erigiu um grande Igreja chamada Basílica de São Paulo fora dos muros. Que lembra o fato e considera este local das três fontes o indicado na morte de Paulo.

Existe um grupo de estudiosos que negam a autenticidade das cartas Pastorais, concluindo que ele tenha sofrido o martírio durante a perseguição do Imperador Romano Nero em 64 d.C.

No entanto os últimos anos de Paulo só se consegue conhecer, fazendo uma combinação de datas e notas que foram escritas nas cartas Pastorais. Acreditamos que nesta forma de estudar a biografia de Paulo é a que se aproxima mais da verdade.

 

Últimos julgamentos e morte de Paulo seguindo as cartas Pastorais Timóteo e Tito:

 

Paulo por ser cidadão romano, devia ser julgado pelo Tribunal Imperial. No primeiro Interrogatório permitiram ao Apóstolo fazer a sua própria defesa, da acusação de cumplicidade no incêndio de Roma. Mas ninguém o ajudou, senão DEUS. (2 Tim 4,16-17) Contudo, deve ter se saído bem, pois a audiência foi suspensa sem qualquer condenação. Este é um dos textos das cartas pastorais que nos ajudam a entender o final da vida de Paulo.

Na prisão escreveu a Timóteo (a Segunda Epístola a Timóteo), a quem cuidava e o tinha como filho espiritual nomeando-o como executor de seu testamento. Tinha esperança de vê-lo ainda uma vez, pede também uma velha capa que deixara em Trôade, a friagem do calabouço estava minando rapidamente a sua saúde.

 

No outono do ano 67 na Segunda Sessão do Tribunal Paulo é condenado e só resta a ele a entrada no reino dos Céus, a segunda carta a Timóteo 4,7-8 muito bem descreve:

 

“Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Desde já me está reservada a coroa da justiça, que o SENHOR, justo juiz, me dará o Senhor naquele Dia, e não somente a mim mas a todos os que tiverem esperado com amor a sua Aparição” (2 Tim 4,7-8) Bíblia de Jerusalém

 

No segundo Interrogatório Paulo é sentenciado a morte.

 

Levaram Paulo ao longo da Via Ostiense, seguindo pela Porta Trigemina, passaram pela Pirâmide de Céstio e pelo local onde hoje se encontra a Basílica de São Paulo Extramuros que foi o lugar da morte. A seguir o cortejo deixa a estrada e vão até o local onde ele foi executado. Hoje naquele lugar, existe a “Piazza Tre Fontane”. No local da execução, a cabeça do Apóstolo tombou por um golpe de espada.

De acordo com a opinião mais comum, Paulo sofreu o martírio no mesmo dia e no mesmo ano que o Apóstolo Pedro, mas em locais diferentes.

 

Fontes:

 

Bíblia de Jerusalém, Ed. 1981 no quadro cronológico, na parte final.

Dicionário Enciclopédico da Bíblia, A. Van den Born, Vozes, 1977, pág.1138-1147, verbete Paulo.

Paulo Trabalhador e Evangelizador, mês da Bíblia 1991.

Material didático escrito e utilizado nas aulas dos Atos dos Apóstolos e Cartas Paulinas, Instituto de Teologia de Passo Fundo, Rs, 2003.

172624 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook