Os estudos atuais sobre as ori gens cristãs chamam o período que vai do I ao III século depois de Cristo com o nome de “Judaism-Christianity” (Judaísmo-Cristianismo). De acordo com alguns estudiosos, precisaria abandonar a visão tradicional da Igreja antiga, como aquela que se encontra, por exemplo, em Eusébio, ou também a idéia de comunidades ou igrejas eréticas. Sobretudo depois da descoberta dos textos de Qumran e de Nag-hammadi, alguns expertos dizem que hoje é preciso falar não de História do Cristianismo, mas em História de Cristianismos. Do mesmo modo é necessária outra atitude em relação ao judaísmo, entendido não apenas como a história do movimento rabínico, mas também como história de diversas formas de judaísmo.

Os primiero 3 séculos, portanto, constituem um período que precede a separação completa entre judaísmo e cristianismo. Os cristãos que vinham do judaísmo continuavam, por exemplo, indo às sinagogas, como se vê em Atos dos Apóstolos, praticavam a circuncisão e a observavam as normas alimentares. Contudo, no próprio livro de Atos dos Apóstolos aparecem tensões que sublinham já uma distinção e, às vezes, também uma oposição. Mais tarde, com os concílios e a definição das heresias cristológicas, cria-se uma separação definitiva e estabelecem-se as duas religiões, como realidades distintas.