Uma janela sobre o mundo bíblico

Critérios para a leitura da Bíblia



  • Estudo
  • 3436
  • 01/02/2013
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Exegese |


Considerando a participação no site, vemos que a Bíblia se difunde rapidamente entre nós e que há uma sede muito grande de conhecimento sobre a Palavra de Deus. Ao mesmo tempo precisamos ter consciência que ler a Bíblia não é tarefa fácil, pois estamos diante da revelação divina, colocada por escrito há muitos anos, num período em que os costumes e hábitos eram muito diversos dos atuais. A Bíblia foi dada a nós e corretamente deve estar nas mãos de todos. Todavia isso não prescinde da necessidade de estudo e de cuidado na hora da leitura e interpretação. Sem muita atenção podemos incorrer em vários perigos, que invés de nos aproximar da verdade revelada pode nos afastar dela.

Por isso proponho alguns conselhos para que não erramos e para que consigamos ter uma boa relação com as Sagradas Escrituras.

1. Lembre-se que a revelação é progressiva.
2. Considere sempre o contexto literário, histórico e cultural.
3. Não progetar o Novo Testamento sobre o Antigo e nem o contrário.
4. Não ajuntar versículos aleatoriamente, conforme o próprio gosto.
5. Evite tirar conclusões aparentemente óbvias, mas falsas, pois uma das premissas sobre a qual se baseia não está correta.
6. Não considerar apenas aquilo que lhe agrada, mas também outros aspectos que são aparentemente contrários à própia ideia.
7. Não usar a Bíblia para confirmar as próprias ideias, mas fazer com que a ela lhe transfome.
8. Começar sempre pelos textos claros e evidentes e não por aqueles obscuros e problemáticos.
9. Ser honesto consigo mesmo e especialmente com a Palavra de Deus.
10. Não tirar conclusões rápidas, mas considerar criticamente as própris ideias, comentando-as com outras pessoas.
11. A verdade bíblica é como um diamante, que tem diversas faces; não ficar parado somente sobre alguns aspectos;
12. Fazer distinção entre a interpretação objetiva de uma passagem (exegese) e a sua eventual aplicação subjetiva.
13. Não ser radical nas próprias teses e nem mestre nas questões, sobretudo naquelas em que não se tem muita competência.

3436 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook