O ritual litúrgico da celebração eucarística, durante a consagração, usa a expressão presente em 1Coríntios e Lucas (Mateus e Marcos omitem a frase relativa à “memória”.

Lucas 22,19: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória” (Bíblia de Jerusalém) - (Edição Pastoral: «Isto é o meu corpo, que é dado por vocês. Façam isto em memória de mim.»)

1Coríntios 11,24: E, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo, que é para vós; fazei isto em memória de mim.” (Bíblia de Jerusalém) (Edição Pastoral: e, depois de dar graças, o partiu e disse: «Isto é o meu corpo que é para vocês; façam isto em memória de mim.»).

Em grego, em Lucas, literalmente temos:
Este é o corpo de mim que per voi é dato. Isto fazei em minha memória
Em Paulo há alguma diferença apenas na primeira frase:
Este de mim é o corpo que (é) para vós. Isto fazei em minha memória

O ritual da eucarístia coloca o pronome possessivo no final, embora em todas as passagens bíblicas, segundo o texto grego, o pronome aparece antes do substantivo. A posição das palavras numa frase, sabemos, pode ter uma importância significante. Embora não seja muito competente, creio que colocando o pronome no fim da frase damos maior acento a ele. No texto bíblico parece que é mais sublinhado o termo “memória”.