Uma janela sobre o mundo bíblico

Fortaleza de Massada



  • Estudo
  • 7493
  • 24/07/2014
Magda Copetti

Leia mais sobre Geografia |


Trabalhos do Curso de Especialização Estudos Bíblicos da Faculdade Católica de Santa Catarina (FACASC), sob a orientação da Professora Silvia Togneri.


INTRODUÇÃO

As margens do deserto da Judéia, num platô com vista para o Mar Morto, encontra-se a ruina escavada de uma cidade real. Esta foi a última fortaleza defendida pelos judeus zelotes que se recusaram a submeter-se à ocupação romana. Quando eles não puderam mais se defender, Massada tornou-se pano de fundo para um dos episódios mais dramáticos da história Judaica.

Segundo as pesquisas de Flavio Josefo, Massada tornou-se uma fortaleza Judaica ainda durante o período dos Hasmoneus (cerca de 150 – 76 a.C.). Mais tarde o rei Herodes fez ampliações reforçando as defesas no período de 37 a 31 a.C. Foi erguida uma dupla muralha de pedra com mais de 140 metros de extensão e quase 6 metros de altura em alguns pontos, que estendia-se por todo o perímetro do platô. No espaço de 4 metros de largura que separava as duas muralhas, foram construídos vários quartos que eram usados para guardar armas e alojar as tropas. A muralha era composta de mais de 30 torres e 4 portões.

 

2. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA

Segundo Silva Neto, Massada está localizada na margem do deserto de Judá a mais de 390 metros da costa do Mar Morto. Sua conformação lembra um romboide, como um navio de norte muito estreito, com o sul um pouco menos e o meio largo. De norte a sul da rocha temo 579 metros e sua medida de leste a oeste de 198 metros. Salvo o extremo norte, toda a rocha está cercada por uma muralha de parede dupla dividida em casamatas. As construções se concentram na metade do norte do cimo, enquanto a parte mais baixa, carecia de edificações.

Observando a formação geral da rocha, a esquerda se vê a trilha da serpente e a rampa (do assalto romano) a direita. Na margem oeste observa-se, em primeiro plano o palácio de degraus e sobre este tem-se o núcleo principal de edificações (armazéns e outras estruturas). Ao centro e a direita da margem oeste de Massada encontramos o maior edifício. As edificações menores se distribuíam aproveitando a topografia irregular do terreno.

 

3. HISTÓRICO

Quanto aos primeiros ocupantes de Massada, ainda é algo obscuro. Para Flavio Josefo, o grande construtor foi Herodes, todavia antes dele havia passado por ali, o sumo sacerdote Yonatham, que alguns identificam como Judas Macabeu (metade do século II a.C.) e outros como Alexandre Janeu (103 – 73 a.C.).

Outra dúvida que pairava antes das escavações, era quanto ao período dos zelotas. Flavio Josefo afirma que após a morte de Herodes, a fortaleza havia sido ocupada por uma guarnição romana, posteriormente expulsa em 66 por Menaém e seus sequazes, sedendo lugar a um grupo de zelotas.

Em 73, após derrotar os zelotas, Silva deixou ali estabelecido outra guarnição. Após o domínio romano, Massada passou por um período de desocupação, tornando-se mais tarde morada de monges bizantinos (séculos V e VI). Depois desse período nunca mais foi ocupada. Nas escavações feitas foram descobertos: uma sinagoga bizantina desse período; moedas da época da revolução; um ostrato com a inscrição dizimo dos sacerdotes (Levitas); inscrições com nome do sacerdote “Hezekiah”. Além disso foram encontrados também fragmentos de vários texto bíblicos, como por exemplo: Levítico, Deuteronômio, Izaias, Ezequiel, Habacuc, Salmos, Eclesiástico e o livro dos Jubileus.

No quadro abaixo, de acordo com Araujo e Silva Neto, estão os períodos de ocupação de Massada.

PERIODO

DATA

ACHADOS

Calcolitico

4° milênio

Covas nos acantilados

Primeiro Tempo

Do século X ao VII a.C.

Fragmentos de cerâmica disseminados

Asmoneu

De 103 a 40 a.C.

Moedas de Alexandre Janeu

Herodes, o Grande

De 40 a.C. a 4 d.C.

Fortaleza, palácios, armazéns, casa de banhos, cisternas e moedas.

Dinastia de Herodes e os procuradores

 

Centenas de moedas e adições aos edifícios

A grande rebelião

 

Vivendas, banhos, rituais, sinagoga, rolo de pergaminho, ostracos, moedas e objetos de uso diário.

Depois da rebelião

 

Moedas da guarnição e alguns edifícios adicionais

Bizantino

 

Capela dos monges.

 

4. POR QUE MASSADA?

Depois de Jerusalém, Massada é o destino mais procurado por turistas em visita em Israel. Sua fama deve-se ao fato de ser um símbolo de resistência e coragem do povo Judeu à submissão coletiva existente no primeiro século, período em que se recusaram a ser escravos dos romanos.

Visitar Massada é uma experiência excitante. A história local e os restos arqueológicos contribuem para criar uma atmosfera especial do local, preservando seu passado impressionante.

No ano de 2000, leitores do jornal Traveler Magazine classificaram Massada como o melhor sítio turístico do mundo e em 2001 foi declarada pela UNESCO como patrimônio mundial da humanidade.


REFERENCIAS

7493 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook