Uma janela sobre o mundo bíblico

Torah ou "lei"? Um problema de tradução



  • Estudo
  • 1508
  • 09/12/2014
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Torah |


Na Bíblia há mais de 300 menções à “Lei” entendida como designação para a Bíblia Hebraica ou para o Pentateuco, os 5 primeiros livros da Bíblia. Cerca de 200 vezes aparece no próprio Antigo Testamento e aproximadamente 140 vezes no Novo Testamento. “Lei” traduz o termo hebraico Torah, que na verdade significa “ensinamento” ou “instrução”.

Analisando a Bíblia Hebraica, os livros do Antigo Testamento escritos em hebraico, vemos que, do ponto de vista do conteúdo, é formada muito mais por anúncios, promessas e história de Israel do que por leis propriamente ditas, por regulamentações e prescrições que na verdade são destinadas a promover um bom comportamento e a justiça social. Mais do que 2 terços dos textos do Antigo Testamento não têm nada a ver com legislação, mas falam da ação de Deus em prol do povo eleito, de Israel.

Portanto, Torah não é “Lei”, mas comunicação da boa nova do amor de Deus. Isso explica por que para o judeu a Torah é uma realidade que excita, que faz apaixonar, digna de amor, com a qual um se torna até mesmo namorado.

Problemas com a tradução da Torah em “Lei”

É normal o mundo cristão considerar a fidelidade à Torah, praticada também por Jesus (veja Mateus 5,17 seguintes), como um mero formalismo ou um legalismo exagerado e inútil. No mundo protestante, por exemplo, o Catecismo de Heidelberg, texto importante até hoje para a igreja reformada por Lutero diz: “Como conheces a tua miséria?” E a resposta é: “através da Lei de Deus” (veja OnLine). Mas contra conclusões assim parciais há quem sublinha: a inteira legislação é obra do homem é está em contradição com o mandamento de Deus (J. J. Jeremias).

Corremos o risco de ressaltar como o judeu, por causa da sua “lei”, está preso, ligado a um legalismo exagerado. E isso pode inconscientemente ser feito para fazer sobressair o cristianismo, que seria uma realidade livre da “Lei”. É óbvio que isso pode levar a reações preconceituosas, especificamente anti-semitas.

Como traduzir Torah?

Tudo isso nos leva a concluir que a tradução de Torah com a palavra “Lei” é muito redutiva e cria até mesmo preconceitos, além de empobrecer todo o conteúdo que o termo hebraico contém. É impossível traduzir em nossas línguas a palavra Torah sem que haja uma perda de sentido. Ao menos deveríamos tentar substituir “Lei” com “ensinamento de Deus”.

1508 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook