Uma janela sobre o mundo bíblico

Há diferença entre falar em línguas e ter o Espírito Santo?



  • Pergunta de Antonio Fabio, Fortaleza
  • 17490
  • 15/05/2016
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Línguas | Espírito Santo | I Coríntios


Existe diferença no sentido que nem todo mundo que "tem" o Espírito Santo fala em línguas. É verdade que "falar em línguas" pode ser considerado um dos dons do Espírito Santo, especialmente relacionado com o milagre de Pentecostes, quando, como conta Atos dos Apóstolos 2, repletos do Espírito Santo, os cristãos começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia se exprimirem. O carisma da glossolalia é frequentemente testemunhado na igreja primitiva : Atos dos Apóstolos 10,46; 11,15; 19,6; 1Coríntios 14. Até mesmo no Antigo Testamento esse fenômeno aparece, especialmente ligado à profecia: Números 11,25-29; 1Samuel 10,5-6.10-13; 19,20-24; 1Reis 22,10.

Embora considerado um dos aspectos da presença do Espírito, com certeza "falar em línguas", não é o único modo em que o Espírito se manifesta. Os dons do Espírito são vários e em cada um desses transparece o "ter o Espírito Santo". Paulo, na sua primeira carta aos habitantes de Corinto, sobretudo no capítulo 14, exatamente no contexto do dom das línguas, escreve palavras sábias sobre a hierarrquia dos carismas que derivam do Espírito, sobretudo vistos em relação ao bem comum da comunidade. Ele se vanta e dá graças a Deus de falar em línguas mais do que todos os seus interlocutores, mas sublinha que, numa assembléia, prefere dizer cinco palavras com a sua inteligência, para instruir também os outros, a dizer dez mil palavras em línguas (versículo 19). Paulo diz que, é muito importante que aquilo que é dito sirva para o bem comum. Se alguém fala em línguas e os outros não entendem, de nada serve. Nesse caso, conclui o apóstolo, « estareis falando ao vento » (versículo 9).

17490 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook