Uma janela sobre o mundo bíblico

Quais os autores dos evangelhos, Mateus, Marcos, Lucas e João? Quando foram escritos cada um? Suas características. Qual a diferença de linguagem? Quais os pontos de divergência entre eles?



  • Pergunta de Cleidimara Brizola de Lara, Sarandi / RS
  • 55492
  • 16/06/2015
Odalberto Domingos Casonatto

Leia mais sobre Evangelho |


Olá Cleidimara Brizola de Lara de Sarandi / RS!

Olhando a pergunta se conclui que não é uma pergunta, mas varias perguntas para os 4 evangelhos. Resolvi responder em forma breve, para os leitores lerem.

Os autores dos Evangelhos:

A Bíblia contém 4 evangelhos e os seus autores, conforme a ordem no Novo Testamento são: Mateus, Marcos, Lucas e João. Os 3 primeiros são chamados “evangelhos sinóticos”, pois têm características comuns. E o quarto evangelho é o de João.

Quando foram escritos:

A ordem destes evangelhos segundo o Novo Testamento é: Mateus, Marcos, Lucas e João. Mas em ordem cronológica para estudos com mais detalhes seguem a seguinte ordem:

Evangelho de Marcos escrito por Marcos na cidade de Roma no ano de (64 d. C);

Evangelho de Mateus escrito por Mateus em Jerusalém para comunidade de Judeus cristão (70 d.C);

Evangelho de Lucas escrito por Lucas em Antioquia para os gentios por volta de (80 d.C),

Evangelho de João escrito por João para a comunidade dos gentios na Ásia Menor em Éfeso (95 d.C.).

Diferenças de linguagem e pontos de divergência entre os evangelhos.

Os livros do Novo Testamento foram escritos em grego.

Quanto ao conteúdo dos três primeiros evangelhos, o de Mateus, Marcos e Lucas, existem semelhanças na forma de apresentação do conteúdo e no tema. O quarto evangelho, o de João, ele é único diferente dos sinóticos, em conteúdo, no estilo e na forma. Por estes motivo se chamam os três primeiros evangelhos: Mateus, Marcos e Lucas de sinóticos. Entretanto, mesmo que estes três primeiros Evangelhos comparativamente sejam semelhantes, eles não são iguais, mas cada um traz suas peculiaridades tornando-se cada um único.

Os evangelhos sinóticos narram os feitos Jesus na Galiléia e terminam com a história da Paixão em Jerusalém (Judéia) enquanto que o de João fala das atividades de Jesus na Judéia, mostrando Jesus varias vezes com os discípulos nas festas judaicas em Jerusalém, (no mínimo 3 festas da Páscoa, festa da Dedicação, festa das Primícias etc). Os sinópticos narram com detalhes os milagres, parábolas e eventos da vida de Nosso Senhor, enquanto São João segue outro estilo narrativo faz ponderações sobre o sentido mais profundo da vida de Jesus e cita apenas suas palavras sobre os temas da fé mais elevados, é considerado um evangelho difícil de se entender, usa palavras como: verdade, vida eterna, nova vida, novo nascimento etc.

Existe um ponto em comum com os quatro evangelhos, não encontramos contradições apesar de todas as variações e estilo próprio de cada evangelista. Existe uma concordância entre eles.

Os sinóticos pouco ou nada falam da atividade de Jesus na Judéia, mas mostram Jesus em Jerusalém e indicam seus seguidores em Jerusalém: por exemplo o dono da estalagem onde aconteceu a Última Ceia, e também José de Arimatéia, que  cedeu a sepultura.

A diferença fundamental entre os sinóticos e João está como as palavras de Jesus são colocadas na narrativa

Nos sinóticos estes conceitos são simples vindos do linguajar de cada dia mostrando fatos comum descritos seja nas Parábolas ou nos milagres de Jesus. O evangelista João diferentemente usa palavras com significado profundo e de difícil compreensão, como se não fossem destinados à multidões ouvintes seletos. Talvez o ambiente e a cultura helênica influenciaram seu texto.

O evangelho é anunciado na Galiléia para um povo simples formado de  agricultores e pescadores. João, no geral, multiplica seus discursos ao longo do evangelho e são dirigidos para os fariseus e publicanos, bem familiarizados com as leis de Moisés e pertenciam a alta sociedade judia.

João procura esclarecer a divindade de Jesus, assunto muito mais difícil do que as Parábolas que aparecem nos sinóticos.

Se os sinópticos focalizam mais o lado humano de Cristo, João o aspecto Divino, isto não significa que os sinóticos omitam o aspecto Divino ou que São João não mostrou o lado humano.

Nos sinóticos encontramos um Jesus chamado Filho do Homem bem como um Jesus o Filho de Deus a quem todo o poder foi dado no céu e na terra.

Tanto os sinóticos como São João enriquecem e se complementam no revelar a personalidade de Cristo como perfeito Deus e como perfeito Homem.

Falando da linguagem de Lucas:

O estilo de linguagem de Lucas é o mais literário de todos  eles.  Os capitulos 1 e 2 mostram na escrita que são uma tradução de um original em hebraico. A partir de 3,1  o estilo de Lucas é helenístico que o remete ao texto da Septuaginta, versão grega do Antigo Testamento. Lucas utiliza (266 próprias) que não são encontrados noutras partes do Novo Testamento.

O estilo do Evangelho constantemente lembra a septuaginta. As citações do Antigo Testamento de Lucas são comumente tiradas daquela versão, e normalmente o autor emprega as formas de nomes próprios achadas ali. Às vezes a linguagem de Lucas contém hebraísmos e, às vezes, aramaísmos. Além disso, sua linguagem é mais semítica em alguns trechos do que noutros. Esses fatos parecem melhor explicados como sendo a reflexão das fontes de Lucas

Todos os evangelhos contam a vida de Jesus, mas não narram todos os detalhes daquilo que ele fez. Na verdade os evangelhos são como uma catequese, um livro que nasceu dentro de um ambiente particular, com um destinatário determinado, isto é, uma comunidade. Cada evangelista escreveu aquilo que julgava ser importante para o seu público.

Entre os autores, somente João e Mateus foram apóstolos de Jesus. Marcos, invés foi um discípulo de Paulo e Lucas, que também escreveu o Atos dos Apóstolos, foi alguém que investigou a vida de Jesus

Características de Marcos

Este evangelho apresenta três características básicas:

1 - brevidade (é o evangelho mais curto);

2 - o Evangelho mostra um Jesus poderoso em ações;

3 - a organização (tem um esquema definido a Catequese de Pedro).

O Evangelho de Marcos apresenta detalhes, que são próprios de uma testemunha ocular, de Pedro e transmitidos oralmente inúmeras vezes através de Marcos a seus ouvintes.

Os aspectos que são próprios de Pedro, sua convivência com Jesus, testemunha dos fatos e ensinamentos de Jesus, Marcos apresenta em seu evangelho.

Como esta obra foi escrita na cidade de Roma, para romanos, tornou-se necessário explicar costumes judaicos (7,3; 14,12; 15,42), e Marcos no escrito do evangelho substitui o grego por latim.

Seu evangelho é uma resposta para a comunidade que esta em crise, por causa da perseguição do Império Romano aos cristãos de Roma. Na abertura de seu evangelho ele apresenta Jesus Cristo como o salvador em contraposição a Cesar Imperador Romano que se considerava deus. O culto ao Imperador era muito difundido nos santuários de Roma e os cristãos eram obrigados a estas praticas.

Preocupa-se Marcos em apresentar Jesus, a partir da crise que vive a comunidade, com os ensinamentos de Jesus, suas Parábolas, milagres Paixão e ressurreição ajudam a comunidade criar condições, vencer os desafios e conquistar novos membros.

Características de Lucas

Algumas características próprias de Lucas no escrito do evangelho:

1 – A vida de Jesus é narrada amplamente, quase que em forma histórica, desde a anunciação do seu nascimento até a sua ascensão.

2 – É o Evangelho para os pagãos. Jesus veio para salvar a todos: judeus e gentios igualmente.

3 – Seu estilo literário é excepcional, um vocabulário rico e escrito com um domínio excelente da língua grega. Tudo indica que o escritor possuía uma cultura grega invejável.

4 – Jesus é apresentado como: “Filho do Homem”.

5 – Aparece um Jesus que se retira para rezar e ensina a rezar.

6 - Mostra um Jesus voltado para os necessitados,  mulheres, crianças, pobres e os marginalizados.

7 – Mostra constantemente o estado de alegria daqueles que aceitam a Jesus, sua mensagem e propostas em suas vidas.

8 - A Espírito Santo é destaca na vida de Jesus e do seu povo (conf. 1, 15, 1,41, 1,67; 2,25-27; 1, 14, 1,18; 10,21; 12,12; 24,49).

A composição deste evangelho é por volta dos anos 80-85 d.C. Possivelmente o local em que foi escrito seja Antioquia na Ásia.

O Evangelho demonstra a universalidade da mensagem de Jesus Cristo. Esta proposta nova e para todos sem restrições. Ao longo do evangelho esta característica se apresenta e quer mostrar que Jesus é o “salvador do mundo”, Jesus veio para aqueles que estão perdidos “libertador dos pobres, oprimidos e marginalizados”, Jesus é o senhor do Universo, o Jesus do evangelho de Lucas revela a misericórdia divina.

O Evangelho quer mostrar que para ser discípulo de Jesus é preciso uma decisão radical, e usar da misericórdia com o próximo, ter confiança, ser vigilante.

Estes aspectos ou características vão aparecendo nos textos que a comunidade de Lucas utilizava na pregação e ensino da proposta de Jesus. Lucas demonstra um rosto diferente de Jesus, nem um pouco semelhante aos outros evangelhos.

Características de João

Seu estilo é simples. A maior parte dos termos utilizados são palavras comuns, como a estrutura é largamente assindética, com muitas repetições. Segundo algumas avaliações, estas características tornam o texto cansativo para a leitura parece que estamos distante da realidade.

Seu pensamento é profundo. Provavelmente nenhum livro do Novo Testamento explorou tanto este aspecto literário, se fala seguidamente sobre verdade, vida eterna, renascimento para o alto, novo nascimento etc. Na leitura do texto somos colocados em outra realidade, uma realidade espiritual.

Organização literária. O aspecto literário esta muito bem arrumado. Temos um Prólogo (1.1-18) e um Epilogo (21), uma espécie de quadro literária. No interior deste quadro literário encontramos as palavras e obras de Jesus que nos leva aos fatos da Paixão de Jesus. Outra característica encontrada é os sete sinais (milagres) em João, certamente escolhidos e depois segue um discurso onde Jesus enfatiza sua mensagem. Podemos falar não de uma diferença entre o evangelho de João e os sinóticos, mas de várias diferenças. Expomos a seguir uma relação destas diferenças, elas poderão de ajudar no estudo deste evangelho.

1 - Diferenças quanto a Geografia ou Topográfica:

Os sinóticos desenvolvem a atividade de Jesus na Galiléia, e depois Jesus e os discípulos indo para Jerusalém, onde acontece, os fatos narrados na história da Paixão e morte de Jesus.

João coloca Jesus presente em pelos menos 4 festas de preceito em Jerusalém (Páscoa, Dedicação) (João 2,13; 5,1; 7,10; 12,12) mostra um Jesus que desenvolve muitas atividades na região da Judéia. João quando fala da região da Galiléia fala em Cafarnaum, em Caná, uma passagem pela Samaria, esta foi  ignorada pelos sinóticos.

2 - Diferenças Cronológica:

As narrativas que encontramos nos evangelhos sinóticos, tem início com o prisão de João Batista (veja Mt 4,12; Mc 1,14), e a atividade de Jesus estende-se apenas por um ano. Jesus participa apenas de uma Festa da páscoa, a derradeira, onde tem lugar os acontecimentos do julgamento morte e ressurreição.

João tem outro roteiro para Jesus. Ele inicia a atividade mesmo antes da prisão de João Batista. A vida pública de Jesus tem um espaço de 3 anos e Jesus participa de três festas da Páscoa (João 2,13-23; 6,4; 12,1).

3 - Diferenças nos Milagres:

Em João diferentemente dos sinóticos ele narra no primeiro livreto (Jo 1-13) um conjunto de sete milagres assim distribuídos

1. – Transformação da água em vinho em Caná da Galiléia

2. – Cura do servo do centurião em Cafarnaum

3. – A multiplicação dos Pães e dos peixes as margens do mar da Galiléa

4. – Jesus caminha sobre a água, no mar da Galiléia

5. – Jesus cura um homem enfermo há 38 anos, piscina de Betesda em Jerusalém

6. – Cura do cego de nascença em Jerusalém

7. – A ressurreição de Lázaro em Betânia, saída de Jerusalém

Finaliza com a pesca milagrosa depois da ressurreição.

O objetivo do evangelista João não foi tratar Jesus como um grande milagreiro, mas acima de tudo como o Senhor e Salvador, o Messias esperado.

Os sinóticos por sua vez querem mostrar um Jesus poderoso em obras. Através dele o reino de Deus já estava presente no meio dos homens

4 - Diferença nos Detalhes:

João escrevendo seu evangelho aos gentios nos oferece importantes detalhes que ampliam em muito as narrativas dos sinóticos.

- O encontro de Jesus com os primeiros discípulos, João e André, Pedro e Felipe de Betsaída, é na abertura de seu evangelho, quando do Seu batizado por João Batista às margens do rio Jordão;

- Entra no Templo no início do ministério expulsa os cambistas e mercadores, diferente dos sinóticos que colocam esta cena no final do ministério;

- No quarto evangelho é mais acentuada a incompreensão de Jesus e de sua mãe Maria, pelos ouvintes,

- Só o quarto evangelho apresenta a parte humana de Jesus, Ele com Maria chora a morte de Lázaro em Betânia.

- É o evangelho de João que apresenta os últimos passos de Jesus começando com a última ceia no cenáculo, os derradeiros momentos de Jesus, suas últimas palavras e recomendações, o lava-pés, e a cena com Judas Iscariotes.

- Em João aparece um Jesus muito próximo dos discípulos.

João nos convida a adentrarmos no Cenáculo e nos tornamos participantes dos últimos momentos de Jesus com seus discípulos, Suas últimas palavras, recomendações e oração, sua ação ilustrativa ao lavar os pés dos discípulos e a confrontação final com Judas Iscariotes. Nem um dos outros evangelistas nos trouxeram tantos detalhes da intimidade de Jesus com os discípulos, como João faz.

5 - Diferenças no Ritmo da atividade de Jesus:

Nos sinóticos temos a impressão que Jesus tem pouco tempo, esta sempre em atividade.

João ao contrário encontra tempo para seus discípulos para conversar e dialogar, aparecem longos diálogos: por exemplo diálogo com Nicodemos, a mulher samaritana.

No cerne da narrativa Joanina está constituído pelos debates e momentos de ensino de Jesus aos discípulos e aqueles que ouviam falar de sua pessoa e missão. Os debates eram demonstrados em atos. O milagre da multiplicação dos pães identificar Jesus como sendo Ele mesmo o verdadeiro Pão da Vida.

6 - Diferenças nos Relatos:

Diversamente dos sinóticos João não narra o nascimento de Jesus, seu Batismo por João no Jordão, as tentações antes do início do ministério, não narra a Instituição da Ceia de Jesus como memorial da morte e Ressurreição de Jesus, ou da agonia de Jesus no Getsemani nem do julgamento do Sinédrio.

Olhando os milagres que aparecem em João apenas 3 coincidem com os sinóticos: a cura do filho do Centurião, a multiplicação dos pães, o andar sobre as águas.

Nos milagres a diferença aparece no significado que eles possuem: Nos sinóticos Jesus realiza os milagres movido de compaixão em João os milagres adquirem um caráter de sinais, manifestando a glória de Jesus.

7 - Diferenças na Ênfase Teológica:

O evangelho de João esta simbolizado por uma águia que voa nas alturas, seus temas dão respostas ao mundo filosófico do helenismo: Ele fala de luz e das trevas, do amor e do ódio, de verdade e da mentira, da vida eterna, da glória, do testemunho etc. Ao contrário dos sinóticos que anunciam a chegada do Reino de Deus.

João falando ao mundo dos gentios ignora toda a discussão do judaísmo e das leis mosaicos: como o uso do dinheiro, o divórcio, o adultério, o perdão aos inimigos etc.

Ainda encontramos ligada a Teologia diferenças na Cristologia:

Os sinóticos apresentam um Jesus como sendo o Filho do Homem, o maior de todos os Profetas, Salvador, Messias esperado e anunciado no Antigo Testamento..

João mostra um Jesus que vem da parte de Deus para revela a plenitude divina, e que ele sendo filho de Deus tem condições de realizar esta missão.

8 – Diferenças de vocabulário

No vocabulário utilizado no texto conhecermos a mente do autor. Os sinóticos utilizam um vocabulário diverso de João se atendo mais a palavras comuns no linguajar popular de Israel. João escrevendo para os gentios caracteriza seu vocabulário, com uma terminologia usada com raridade nos escritos sinóticos.

Basiléia (Reino); Geneá (geração); Grammateus (escriba); Dýnamis (força); Parabolé (Parábola); Pístis (fé).

Vocábulos freqüentes em João:

Ágape (amor); Aiónios (eterno); Alétheia (verdade); Hamartia (pecado); Graphé (escritura); Dóxa (glória); Érgon (obra); Zoé (vida); Kósmos (mundo); Martyréo (testemunhar); Patér (pai); Phôs (luz); Skotia (trevas); Hydor (;água).

Concluindo:

De forma resumida estão elencadas algumas diferenças que pode se encontrar nas narrativas dos evangelhos sinóticos e do evangelho de João. Conhecer estas informações poderão ajudar a compreensão do texto dos evangelhos e chegar mais perto da mensagem de Jesus.

Consulta:

CASONATTO, ODALBERTO DOMINGOS, Em busca de chave de leitura do Evangelho e das Cartas do apóstolo João, em Caminhando com o Itepa, Passo Fundo / RS, Ano IX, n 35, Nov. 1994, pág. 23-32.

CASONATTO, ODALBERTO DOMINGOS, O evangelho de João a partir da comunidade Joanina, em Caminhando com o Itepa, Passo Fundo/ RS, Ano XVII, n 56, abril. 2000, pág. 29-41.

CASONATTO, ODALBERTO DOMINGOS, Como ler o Novo Testamento, em subsídios para a evangelização, Instituto de Teologia de Passo Fundo / RS, (uso acadêmico), 1996

55492 visitas


A resposta dos autores do site se encontra aqui acima.
Eventuais comentérios postados abaixo, via FaceBook, não representam o nosso parecer,
mas são de exclusiva responsabilidade dos seus autores.


Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook