Uma janela sobre o mundo bíblico

Dos 4 evangelhos, qual se assemelha à história verídica?



  • Pergunta de Gabriela, Petrópolis
  • 1689
  • 12/07/2015
Luiz da Rosa

Leia mais sobre Evangelho | Historicidade | Jesus


Muitos estudos e debates têm sido feitos sobre a historicidade dos evangelhos e a sua pergunta entre dentro desse campo. É uma pergunta muito interessante e difícil de responder.

Mencionando dois extremos, poderíamos citar Bultmann e sua "desconfiança" a respeito da historiciade dos evangelhos e, em contraposição, Käseman, seu discípulo, que retém o valor histórico dos evangelhos e sublinha a necessidade de apoiar a fé cristã sobre base histórica.

 

A História como ciência

Para provar que um evento é histórico, do ponto de vista científico, precisamos de indícios que levam a uma conclusão racional. Por outro lado não existe uma ciência da história neutra, isto é, é sempre influenciada por um certo modo de ler a realidade. Um cristão conta a história em modo diferente de um muçulmano, um europeu diverso de um americano. Cada um coloca um pouco de sua subjetividade.

 

Critérios de historicidade - Um terceiro ponto de vista ("Terceira Busca")

Essa filosofia da história tem sido aplicada ao estudo sobre a historicidade dos evangelhos. Nasceu então uma terceira corrente, considerando as duas citadas acima (Bultmann e Kaseman). Essa corrente ficou conhecida como "Terceira Busca" (baixe aqui um estudo sobre esse tema - PDF) e um dos seus principais protagonistas é Wright. Esse modo de análise passa das formas literárias e redação ao estudo da autenticidade histórica dos fatos contados pelos evangelhos, estabelecendo critérios que possibilitam verificar a historicidade de quanto foi escrito. Os que a defendem dizem que Jesus precisa ser estudado como se estuda outra figura história. E para tanto é necessários usar critérios científicos. Esses critérios são os seguintes:

1. Descontinuidade

Um elemento que prova a historicidade de Jesus, como contada pelos Evangelhos, é a sua descontinuidade com o ambiente judaico no qual viveu. Por exemplo, a sua posição em relação ao legalismo judaico para a observância da lei; a nova imagem que dá de Deus, chamando-o Abbá (Pai); a sua preferência pelos pobres e mais fracos da sociedade, considerados abandonados por Deus. São elementos que contrastam com a mentalidade religiosa daquele tempo. Se Jesus traz um novo modo de viver assim decidido, podemos racionalmente crer que seja efetivamente um personagem histórico.

2. Conformidade

Outro critério, que deve ser usado junto com o anterior e que atesta a historicidade de Cristo é o fato de ser um homem que falou na linguagem do seu tempo, inserito no seu ambiente: um judeu que apresenta traçados que conduzem àquela época histórica. Como disse, esse critério serve para fazer um equilíbrio com o primeiro, que pode oferecer um Jesus muito estranho ao seu tempo, seu desvalorizar a novidade que traz.

3. Vergonha dos discípulos

Esse critério tem a ver com a primeira comunidade e os discípulos que por primeiro anunciaram a ressurreição de Cristo. A tese é que eles teriam criado grande vergonha para a Igreja se tivessem sido simplesmente porta-voz de um mito, de uma história inventada, da vida extraordinária de Jesus. Se os fatos não tivessem realmente acontecido teriam sido colocados em situação ridícula e vergonhosa. Um grupo de pessoas teria sido capaz de inventar uma história assim fantástica e escandalosa para aquele tempo a ponto de arriscar a própria vida? Teriam dado a própria vida se não tivessem sido testemunhas de um evento inaudito e espetacular como aquele acontecido com Jesus?

4. Testemunhas múltiplas

Se um fato é testemunhado por fontes diversas deve ser verdadeiro. Esse critério considera os evangelhos. Fatos iguais são mencionados nos evangelhohs e o modo diverso como são contados é uma evidente confirmação da autenticidade do evento. As diferenças são atribuidas à personalidade do autor e também às suas intenções teológicas.

 

A verdade nos evangelhos

Cada um dos 4 evangelhos tem um objetivo concreto, um autor e também um destinatário. Isso faz com que cada um seja diferente do outro, mesmo se os 3 primeiros, chamados sinóticos, têm muitos elementos em comum; João é mais autônomo em relação aos 3 primeiros.

Não se pode dizer que um é mais histórico do que o outro. O objetivo dos evangelhos não é contar a biografia de Cristo, mas transmitir a sua mensagem. É por isso que alguns não mencionam certos fatos e outros são mais sublinhados. Por exemplo, Lucas tem uma sensibilidade muito grande para com os excluídos e por isso previlegia certos episódios da vida de Cristo que destacam essa característica. João é mais teológico e é normal ver no seu livro diálogos que sublinham elementos de profunda teologia.

Cada evangelho tem sua riqueza e devem ser considerados com igual valor.

Se você quiser ler mais sobre esse tema, aconselho a tese de mestrado de  Fabrício Veliq Barbosa, que fala da relação entre o Jesus histórico e o Cristo da fé, disponível em PDF nesse link.

1689 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook