Uma janela sobre o mundo bíblico

Como entender a "plenitude do tempo" sem fé e em visão academica?



  • Pergunta de Gilvanete Costa, Nova Iguaçu - RJ
  • 803
  • 03/05/2017
Odalberto Domingos Casonatto

Olá Gilvanete Costa de Nova Iguaçu - RJ!

Observação: Na compreensão que possuo, não vejo que uma visão acadêmica é isenta de fé. Faço a analise de “plenitude dos tempos” em Galatas 4,4, no conjunto da perícope toda Gálatas 4,1-7.

Querer analisar “plenitude dos tempos” sem a citação bíblica, e com um olhar apenas técnico e científico, se torna um termo muito geral. E penso que não vale apena tal estudo. Entretanto coloco alguns pontos de vista que com os dados da fé, texto bíblico podemos entender o que seja plenitude dos tempos”.

Responder a sua pergunta me leva aos anos que estudei a carta aos Gálatas, descobrindo os elementos escatológicos que permeia a carta. Até aquela época pouco se falava em escatologia na Carta aos Gálatas, mas na realidade muitos textos têm acentuado teor escatológico.

A expressão “plenitude dos tempos” foi um dos vários temas escatológicos que o estudo apontou. Reproduzo as conclusões deste trabalho para que possas ter uma compreensão maior do que na realidade seja esta expressão “plenitude dos tempos”.

A expressão “plenitude dos tempos” que aparece em Gálatas 4,4:

“4Quando chegou a plenitude dos tempos, enviou Deus o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sob a Lei, para remir os que estavam sob a Lei, afim de que recebêssemos a adoção filial.” (Gálatas 4,4) Bíblia de Jerusalém.

entende-se como o término de uma época antecedente, o tempo da espera, tempo da promessa e da lei o envio de Jesus por parte do Pai “enviou Deus o seu Filho”, põe termo final ao tempo da promessa; e a expressão “plenitude dos tempos” indica não só o término de uma data estabelecida mas também contém um significado histórico salvífico. O evento Jesus Cristo manifestado na “plenitude dos tempos” não vem anular o tempo como tal, mas sim, introduzira atividade salvífica de Deus na história da humanidade. No acontecimento histórico de Jesus, Deus completa a sua ação escatológica. Ainda podemos dizer que a expressão “plenitude dos tempos” está relacionada com Ef 1,10, coincidindo no significado”: indicando o “acabamento o tempo”. Finalizando o tempo preestabelecido por Deus, Ele envia o seu próprio Filho para livrar a humanidade do jugo do pecado e da morte.

Consulta:

CASONATTO, Odalberto Domingos, A escatologia cristã na carta aos Gálatas. Thesis ad doctoratum, Studium Biblicum Franciscanum, Jerusalém 1993. Pág.51-52.

803 visitas



Comentários

Os comentários são possíveis somente através da sua conta em FaceBook