Olá Paulo Simões do Porto!

Busquemos uma resposta nos livros da Bíblia. A carta de Tiago nos fala com bastante precisão a respeito deste sacramento vejamos:

Já dizia São Tiago em sua carta:

“Alguém dentre vós está doente? Mande chamar os presbíteros da Igreja para que orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor. A oração da fé salvará o doente e o Senhor o porá de pé; e se tiver cometido pecados, esses lhe serão perdoados” (Tg 5,14-15). Bíblia de Jerusalém.

Tiago falando da pratica da unção com o óleo está indicando que está pratica era muito comum em sua comunidade. Era feita uma unção em nome do Senhor, com orações de um presbítero, cujo fim era a melhora do doente junto com perdão dos pecados que tiver. A partir disto a Igreja viu que se praticava uma forma inicial do sacramento da unção dos enfermos. Mais tarde o concílio de Trento definiu como um sacramento.

Porque se chamou de extrema unção?

A Unção dos Enfermos, antigamente chamada de Extrema Unção, é um sacramento de cura, e perdão dos pecados. É uma graça que o Senhor nos concede por meio da Igreja, nos unindo de forma mais estreita a Cristo em um momento em que estamos frágeis. Assim como Jesus curava os enfermos, a Igreja, por meio da figura do sacerdote, cuida dos doentes.

Até a pouco tempo era chamado de extrema unção porque era administrado a doentes em véspera da morte. Seria uma preparação para a partida para a casa do Pai. Hoje se vê de modo diferente este sacramento da unção: pessoas idosas recebem o sacramento, mesmo que não estejam doentes.

Embora junto com a unção dada ao doente os pecados são perdoados. Isto não quer dizer que exista uma relação entre pecado e doença. Jesus mesmo corrigiu aquilo que os fariseus afirmavam. Esta pessoa é cega por que motivo? Foram seus antepassados que pecaram e a culpa recaiu nele?